Você está em » Política
Em 01/11/2017 20:03:10

Magno Pires

         Venho dizendo reiteradamente que o Partido Progressista e o seu líder proeminente, senador Ciro Nogueira, deixarão a base governista do petista Wellington. Há muito, tanto o senador quanto o partido, têm fortes reclamações do tratamento que recebem do Chefe do Poder Executivo. Porém, a habilidade do governador e a compreensão e serenidade do senador conduzem o processo político e chegam a um acordo para harmonizar os deputados estaduais e os prefeitos. Entretanto, as divergências e os atritos têm potencializado a discussão trazendo ressentimentos às partes. A posição da vice governadora profa. Margarete Coelho, também é muito delicada. Especula-se que Wellington já escolheu o deputado Themistocles Filho (PMDB), presidente da Assembléia Legislativa, como o seu vice. Isso está desagradando ao partido e ao senador Ciro. E intensamente Margarette Coelho.

 Alega-se, e é procedente e crível, pois o PP é aliado de primeira hora, desde o começo do governo, e o PMDB integrou e/ou aliou-se recentemente. A fidelidade do grupo do senador Ciro é histórica. O grupo peemedebista aninhou-se ao governador Wellington faz pouco tempo.

         O senador Ciro Nogueira veste a camisa do governo Wellington aqui e em Brasília, conseguindo empréstimos (e os liberando), com rapidez, para viabilizar a administração estadual. Enquanto PMDB não tem essa mesma postura, embora os deputados estaduais e o presidente da Assembléia, deputado Themistocles Filho, apóiam todos os projetos e ações do Poder Executivo submetidos à Assembléia. Inclusive aprovando quase todos. Não tem faltado ao governador o apoio da Assembléia. Themistocles lidera todo o grupo.

         Mas, a questão da aprovação da mensagem escalafobética do governador que aumenta os impostos está também distanciando o PP, os deputados pepistas e o senador Ciro, ainda que Ciro procure neutralizar a reação de todos os deputados contra a mensagem. Inclusive o senador também é contra o aumento; especialmente em um momento em que a situação econômica e financeira do país, ainda é grave, embora esteja melhorando todos os índices: inflação baixa, desemprego caindo, exportações aumentando, confiança externa no país pelos investimentos dentre outros.

         O governador poderá atrasar o salário do servidor. Com o aumento da alíquota do ICMS, que consta da mensagem, o Estado poderá arrecadar R$ 150 milhões. O suficiente para não atrasar o salário.

Por conta da reação do PP, que é contra a matéria, o Chefe do Poder Executivo exonerou os Secretários, com mandato, para substituírem os suplentes. E votarem a favor da mensagem do ICMS.

         Nessa enorme confusão política, gerada pela insistência do Governador Wellington em aprovar a mensagem, até o deputado Julio Arcoverde (PP) e presidente do partido foi exonerado da comissão, o que está gerando grande indignação dos membros da agremiação pepista. A situação é gravíssima. A tensão política é grandiosa. E somente o feriado do dia de finados trará uma trégua temporária, embora na sexta feira ressurjam as desavenças e os atritos entre o poder Executivo e Legislativo. E, especialmente, com o Partido Progressista – PP e o senador Ciro Nogueira.

   O deputado Julio Arcoverde, abatido nessa grande confusão, ainda  que o presidente do PP, reage e reclama constantemente uma decisão firme do senador Ciro junto ao governador Wellington. Contudo, o Chefe do Executivo só pensa no aumento do ICMS para assegurar o pagamento do servidor.

         Mais esta divergência do PP e do senador Ciro Nogueira apressa e contribui fortemente à decisão do pepista em abandonar a base situacionista do petista Wellington.

         E saindo o PP do governo, bem como o senador Ciro, da aliança governista, o projeto de reeleição do governador estará inexoravelmente sacrificado; e ascenderá à condição de eventual candidato ao governo estadual, com o apoio de Ciro, o prefeito de Teresina, economista Firmino Filho. Nesse sentido, já mantiveram um diálogo. Assegurou Firmino que desde que tenha o apoio de Ciro sairá da prefeitura e se lançara candidato a governador do Piauí. Senador Ciro confirmou o apoio.  

Magno Pires é membro da Academia Piauiense de Letras, ex-Secretário da Administração do Piauí, ex-consultor jurídico da Companhia Antactica Paulista (Hoje AMBEV) 32 anos. Portal www.magnopires.com.br com 93.920.987 acessos em 8 anos e 2 meses, e-mail: magnopires_mp@yahoo.com.br.