NÃO VIVEMOS UM PRENÚNCIO DE 64 – (I)