Política

SUCESSÃO DE 2022: GOVERNADOR ENTRE REGINA SOUZA E RAFAEL

SUCESSÃO DE 2022: GOVERNADOR ENTRE REGINA SOUZA E RAFAEL

SUCESSÃO DE 2022: GOVERNADOR ENTRE REGINA SOUZA E RAFAEL

 

Magno Pires

 

            Certamente esta será a mais difícil decisão de sua longerra e bem sucedida carreira política sempre extraordinariamente exitosa. Inédita e incomum no histórico da política piauiense, conquanto elegeu-se de vereador da Capital a governador, passando por Senador da República, sem perder uma única eleição, além de reeleger-se Governador do Piauí por quatro mandatos sempre no primeiro turno.

            Nenhum político brasileiro detém esse registro histórico e essa marca. Nem sequer o todo poderoso ex-governador de Pernambuco Miguel Arraes (PSB), bem como Geraldo Alckmin (PSDB), ex-governador de São Paulo, também governador por quatro mandatos, porém, sem reeleger-se  todas as vezes no primeiro turno. O paulista enfrentou 2º turno. Diferentemente de Wellington Dias, o maior líder político do Piauí, suplantando Chagas Rodrigues, Petrônio, Alberto Silva e Mão Santa. Todos líderes incontestes.

            Entretanto, na sucessão de 2022, após romper com o poderoso aliado, Senador Ciro Nogueira, tem pela frente a dificílima e inédita decisão de escolher entre dois fortes petistas qual terá sua benção para ser o candidato do PT às eleições de 2022, embora um evento ainda muito distante de efetivar-se e/ou acontecer.

            A petista histórica Regina Souza é a Vice Governadora do Estado, indicada por Wellington Dias às eleições de 2018, após contrariar a Vice de então, Margarete Coelho (Progressistas), a continuidade de permanecer no cargo para reeleger-se com Wellington Dias naquele ano eleitoral. Escolhida Regina, Margarete Coelho lança-se candidata a deputada federal, sendo exuberantemente eleita, com o apoio irrestrito do Senador Ciro Nogueira (Progressistas). Afinal, Regina é petista e o Governador jamais apoiaria novamente Margarete até por conta das pretensões de Ciro de concorrer ao Governo do Estado em 2022.

            Historicamente, e é da natureza da política e do cargo, o Vice querer ser candidato ao cargo de titular ao governo estadual. Exatamente o que quer, legitimamente, a Vice Regina Souza. Está corretíssima na sua posição e direção, porquanto tem essa legitimidade constitucional política e administrativa, embora Rafael seja um grande obstáculo porque tem, também, um sogro poderoso e muito rico, com lastro no PMDB pela família Eulálio em Picos.

            No entanto, o Secretário de Fazenda, Rafael Fonteles, é um forte pretendente e concorrente ao cargo, ainda que não seja um petista histórico, como o prontuário de Regina Souza no PT. Embora filho de um petista, também como Regina, de vida longa, o ex-deputado federal Nazareno Fonteles, cujo filho teria sido agraciado com a Secretaria da Fazenda, certamente com esse objetivo futuro e/ou como provável alternativa. Só que Regina Souza não aceitará essas alegações e/ou justificativas.

            Os Secretários de Fazenda não têm bons históricos políticos no Piauí. Nenhum conseguiu emplacar o Governo Estadual. O ex-deputado federal e empresário bem sucedido Ary Magalhães, indicado para o cargo pelo ex-governador Lucídio Portella, ensaiou uma candidatura, mas não avançou; e o petista Antônio Neto foi cogitado em 2010, também não prosperou sua eventual candidatura. E, agora, Rafael Fonteles, pelo desempenho e eficiência na Secretaria de Fazenda, projeta-se para concorrer com Regina Souza, mas a reação da Vice tem sido forte e radical. E o Governador vai posicionar-se e/ou ficar indeciso entre os dois petistas? Rafael dispõe do Poder financeiro como empresário na área da educação e Regina do político; e o Governador Wellington será eventual candidato a Senador. O poder de Regina é extraordinariamente maior que o de Rafael, inclusive no Partido. E Regina é osso duro de roer. E botará fé, reafirmando sua candidatura, até Wellington refluir, pois este não enfrentará Regina, embora também inviável ao Governo.

            Apenas com toneladas de dinheiro Regina Souza e/ou Rafael poderá vencer o poder político de Ciro no Estado, com o apoio do Palácio do Planalto, presidente Jair Bolsonaro, que está com 46% (quarenta e seis por cento) de apoio popular e os índices sempre em ascensão.

            Ademais, repita-se, Wellington Dias é candidato ao Senado da República e precisa dos votos dos partidos aliados para ser vitorioso e enfrentar a eventual candidatura ao Senado de Firmino Filho, que sairá de Teresina com uma votação muito grande, em cuja Capital, Teresina, o PT não tem voto, dando-se como exemplo a baixíssima aceitação do petista Fábio Novo, candidato a prefeito de Teresina, com apenas 3,4% da intenções. Enquanto os outros candidatos estão todos acima de 9% e o dr. Pessoa com trinta e dois pontos percentuais, conforme pesquisa de opinião pública do Instituto Amostragem publicada em jornal da Capital.

            E agora, em pesquisa feita pelo Instituto Data O Dia, Fábio Nove com 4,77%; enquanto dr. Pessoa com 27,24%, Fábio Abreu com 26,37%, Kleber Montezuma com 19,15%, sendo este o que mais cresceu entre os  candidatos.

           

Magno Pires é Membro da Academia Piauiense de Letras e o Vice-presidente, ex-Secretário da Administração do Piauí, Advogado da União (aposentado), jornalista, administrador de empresas, Portal www.magnopires.com.br, e-mail: [email protected]