Política

SUCESSÃO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

SUCESSÃO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

SUCESSÃO NA ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

           

Magno Pires

 

            Não há a menor dúvida: é o assunto mais comentado nas rodas políticas, jornalísticas, empresariais e sociais de Teresina. A matéria galvanizou meio mundo. Os comentários são os mais diversos, mas os sobre Themístocles (PMDB) destacam-se pela ponderação, moderação e condução do postulante ao contestar as críticas dos adversários. As estocadas desferidas contra Ciro e Assis. Estes criticam o presidente porque postula a reeleição.  Enquanto se calam, convenientemente, referente ao governador Wellington Dias (PT), que foi candidato vitorioso pela 4ª vez ao Poder Executivo. Wellington jamais deixou de ser postulante e indicou um substituto. Porque entre aliados e petistas era o melhor. Aliás, não sendo ele o postulante, os governantes perderiam a eleição. E ainda construiu uma chapa majoritária ao governo só de petistas: ele e Regina Souza, com vistas à eleição de 2022 ao governo estadual, pensando em eleger Regina Souza.

            Themístocles é o único que une os anseios, desejos e interesses de todos os deputados mesmo os dos seus inimigos políticos. Por isso, tem voto em todas as agremiações. Inclusive de petistas.

            Os partidos PRB, PR, PSD e PPS vão se unir em um bloco partidário para ocupar cadeiras na Mesa Diretora e Comissões Técnicas da Assembleia. O grupo estará na chapa do presidente, candidato à reeleição, Themístocles Filho. São seis votos: Gessivaldo Isaiais, Fábio Xavier, Dr. Hélio Oliveira, Carlos Augusto, Georgiano Neto e Oliveira Neto. (Caderno Opinião, JMN, 4ª feira, 18/1/2019).

            A oposição votará unida na Assembleia e estará em Bloco na formação das Comissões Técnicas da Casa. O PSDB, PTC, PV e PSB. São quatro deputados: Marden Menezes, Evaldo Gomes, Teresa Brito e Gustavo Neiva. Esses votos decisivos para Themístocles Filho se reeleger presidente da Casa. (Coluna Opinião, JMN, 4ª feira, 18/1/2019).

            Com os seis votos do bloco PRB, PR, PSD e PPS; os quatro da oposição com o PSDB, PTC , PV e PSB; e os seis votos do MDB, Themístocles somaria 16 votos. Mais, que suficiente para se reeleger presidente da Assembleia, precisa de 15 em dois turnos. No entanto, seu aliado mais entusiasmado, João Madison, já soma 22. (Ainda da Coluna Opinião, JMN, 4ª feira, 18/1/2019).

            Os dois deputados estaduais petebistas estão fechados com o deputado Hélio Isaias para presidente. Nerinho é um dos articuladores da candidatura e Janaína Marques assegura aos parlamentares aliados que também vota no candidato do Progressistas. (Coluna Opinião, JMN, 4ª feira, 18/1/2019).

            Quanto à deputada Janaína Marques (PTB), há um comentário na cidade, que um grande empresário teria dito que ela deveria votar “nesse cabeça branca”... , referindo-se a Themístocles.

            A deputada Flora Isabel (PT) fez comentário na imprensa que votaria em Themístocles. Mas poderá ter mudado por pressão partidária do Governador e dos seus aliados petistas. E o deputado Fábio Novo expressou não ter nenhuma restrição à reeleição de Themístocles. E falou em consenso. Ainda tem o deputado Wilson Brandão (Progressistas) que analisa os fatos sem se posicionar.

            Acho muito difícil o deputado Themístocles perder essa parada rumo à presidência da Assembleia. O próprio deputado João Madison com sua experiência, embora com forte emoção partidária e militância a favor de Themístocles, já conta 22 votos; certamente com deputados do PT e do Progressistas, que sufragarão o emedebista, mas que ficam calados. É a conveniência política.

            Ainda são cabos eleitorais de Themístocles os senhores Marcelo Castro (MDB) e Elmano Ferrer (Pdemos). Entretanto, Hélio Isaias recebe o integral apoio do senador Ciro Nogueira (PP). Por isso também, a eleição da Assembleia é o assunto mais discutido no Piauí, especialmente em Teresina, mesmo com a ausência conveniente e estratégica do Governador Wellington Dias, em viagem internacional, retornando apenas em 29/1/2019. O deputado federal Assis Carvalho (PT) defende e apoia a candidatura de Hélio Isaias (PP). Assim, os três senadores do Piauí estão lutando por seus candidatos. E nessa equação política da assembleia está em jogo também a eleição majoritária de 2022 para Governador do Piauí. É o PT gerenciando político além de 2019.

            Entendo que o deputado Hélio Isaias, que tem o apoio parcial de legisladores do PTB, do PT e Progressistas, poderia procurar fazer um acordo, desistindo dessa empreitada, para isentar o governador, o senador Ciro e petistas e petebistas desse vexame e constrangimento político, que necessariamente fortalecerão a posição confortável do deputado Themístocles Filho à reeleição.

Magno Pires é Membro da Academia Piauiense de Letras, ex-Secretário da Administração do Piauí, Advogado da União (aposentado), jornalista, administrador de empresas, ex-consultor jurídico da Companhia Antactica Paulista (Hoje AMBEV) 32 anos. Portal www.magnopires.com.br com 112.517.381 acessos em 9 anos e quatro meses. e-mail: [email protected]